Como manter a segurança em casa, com bebês e crianças

Todos sabem que as crianças são muito travessas, só é preciso desviar o olhar por um momento para acontecer pequenos acidentes.

Por isso é muito importante estar atenta a dicas e truques que ajudam a manter a segurança em casa.

Dúvidas comuns sobre manter a segurança em casa

Oferecer segurança para os filhos é fundamental para que eles cresçam bem!

Entretanto é comum que surjam dúvidas, principalmente para os pais de primeira viagem. Afinal de contas, é sempre preciso estar em alerta para que quedas, engasgos, queimaduras, choques, afogamentos e intoxicações, por exemplo, não ocorram.

Por isso que a dúvida principal sempre é: o que eu posso fazer para não colocar em risco, a vida dos meus filhos (ou crianças).

Manter a segurança em casa: regras básicas

Quem tem crianças em casa sabe como é difícil controlar esses pequenos que são cheios de energia, por isso, algumas medidas de segurança devem ser colocadas em prática, sendo que, as mais importantes e que evitam os acidentes mais comuns são:

Instalar grades nas escadas;

Manter produtos de limpeza fora do alcance das crianças;

Utilizar dispositivos para fechar portas e gavetas;

Colocar prendedores nas portas para que elas não se fechem nos dedos das crianças;

Instalar redes de proteção nas janelas;

Usar protetores nas tomadas e quinas de mesas ou móveis;

Em caso de ter quintal com piscina, instalar protetores de acesso.

É claro que existem diversas outras medidas que podem ser tomadas, com a finalidade de evitar acidentes. Entretanto, cabe aos responsáveis avaliar quais serão as necessárias para manter a segurança em casa com os pequenos. Lembre-se de tirar tudo que pode ser perigoso, do alcance das mãos. Essa já é, por si só, uma das medidas mais importantes!

E os kits de berço?

De acordo com os especialistas da Sociedade Brasileira de Pediatria não é recomendado que o berço da criança tenha almofadas, bichos de pelúcia ou até mesmo os famosos kits. De acordo com relatos e estudos da Academia Americana de Pediatria, esses são os principais motivos de asfixia, sufocação e trauma em bebês com menos de seis meses dentro do berço.

As recomendações da pediatra Adriana Proença Barros são: “O ideal é que o berço não tenha bichinhos de pelúcia e travesseirinho dentro dele. O ideal é que o bercinho não tenha nada”.

Outras dicas de segurança da pediatra são: “A altura deve medir na, vertical, no mínimo 60 centímetros, para que a criança, quando ficar em pé, não tenha risco de cair do berço. A distância entre uma trave e outra deve ser menor do que seis centímetros, para não passar a perninha e acabar se machucando”.

Os andadores são seguros?

A Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou uma nota, com base em estudos realizados no Canadá, no qual considera-se o andador um dispositivo perigoso e desnecessário para os bebês. Tudo isso devido as elevadas chances de causarem traumatismo provenientes das quedas.

De acordo com o estudo divulgado, 2 a cada 3 crianças dos casos de traumatismo em crianças acontecem com aquelas que utilizam andadores. E o que é ainda pior, um terço desses casos, resultam em lesões graves, fraturas e traumas cranianos que necessitam de hospitalização.

E quando a segurança em casa não é suficiente?

Infelizmente algumas situações podem acontecer, mesmo que você faça de tudo para manter a segurança em casa! É normal, afinal de contas eles estão explorando um novo universo, com cores, formas, cheiros e texturas!

O importante é evitar e/ou não facilitar que aconteçam.

Engasgo

Para evitar engasgo com comida é importante que, na hora da alimentação, a criança fique sentada.

Corte os alimentos em pedaços pequenos e estimule que eles mastiguem bem, antes de engolir. No caso de ser papinha, coloque pequenas quantidades na boca do bebê e deixe que ele engula, antes de colocar mais uma colherada na boca.

Se por algum acaso o bebê estiver engasgando e não consegue respirar, não tente tirar o que está causando o engasgo com a sua mão. Você pode empurrá-lo sem querer e obstruir por completo a via respiratória. O recomendado é tentar manter a calma e seguir estas recomendações pediátricas.

Em seguida, ligue para a emergência!

Quedas e tombos

A verdade é que, mesmo que você aprenda a manter a segurança em casa, quedas e tombos podem acontecer.

De acordo com o pediatra Márcio Moreira, do Hospital Israelita Albert Einstein. “a cabeça do bebê é mais resistente aos traumatismos já que, como ainda está em crescimento, tolera melhor pequenos aumentos da pressão intracraniana”.

Por isso que a intensidade da pancada não é o que mais importa, mas sim o local em que ela acontece. Como por exemplo, na moleira dos bebês, que é o local mais sensível. Em outras idades, atrás da orelha também é perigoso, devido as artérias que podem se romper.

O ideal é não entrar em pânico e tentar acalmar o bebê ou a criança. Após o susto observe se não há cortes ou os hematomas (roxos).

Faça pequenas compressas de gelo e aplique no local, nunca diretamente, para não queimar a pele. Isso ajudará a reduzir o inchaço.

No caso da criança se acalmar e recuperar logo, você pode observá-la em casa, nas seguintes 12 horas, que são as mais importantes. Lembre-se ainda de não colocá-la para dormir logo em seguida, por longos períodos.

Uma soneca de 20 minutos, pode! Caso contrário você não conseguirá observar algum sintoma anormal.

Agora, se você perguntar ao seu filho e ele não estiver bem, se acontecerem desmaios, choros incensáveis, vómito ou desorientação após 15 minutos da queda ou de um machucado que não pare de sangrar, é preciso levá-lo ao pronto socorro o mais rápido possível. Assim os devidos exames e procedimentos serão tomados.

Segurança fora de casa

Manter a segurança em casa é essencial, assim como fora de casa!

Portanto, lembre-se dessas mesmas dicas quando for passear com seus filhos na casa de outras pessoas. Assim como esteja atento na rotina do dia a dia, desde passear pela rua, praças e parques, até mesmo na hora de andar em algum tipo de transporte, seja ele particular ou público.

É preciso levar a cadeirinha do carro?

Sim! Independente se você vai sair com o seu carro, o carro de uma outra pessoa, aplicativos ou taxi é sempre necessário ter a cadeirinha do bebê ou da criança com você!

Em alguns casos é possível entrar em contato com as empresas e verificar se elas já possuem o dispositivo para ser utilizado. Caso contrário, é obrigado por lei, o uso.

Devo conversar sobre segurança com meus filhos?

Sim! É preciso conversar, orientar e ensinar que determinadas brincadeiras, atitudes e ações podem ser perigosas!

É claro que não precisa traumatizar uma criança com histórias assustadoras! Mas é fundamental que ela aprenda a ter consciência do que é certo e do que é errado, assim como noção de tempo e espaço para realizar suas tarefas, sem incidentes.

Advertisement